Posts Tagged ‘Vital Moreira’

A vital questão

Maio 22, 2009

Já não me lembro bem que escreveu, mas julgo que foi VPV, a propósito da entrada de Zita Seabra no PSD, das saídas de Judas e Vital Moreira do PCP, que só à direita é que essas “transferências” eram vistas com simpatia. Á esquerda, ninguém veria com bons olhos a chegada de alguém da direita, Roseta nunca teria sido realmente bem aceite, como há pouco tempo Freitas do Amaral teria sido simplesmente tolerado.

Quanto aos comunistas, a coisa era ainda mais clara, tais casos não se distinguiram na prática dos traidores dos valores do Partido que dele saíram para se estabelecerem junto da burguesia. É por isso que sempre me espantou a escolha de Vital Moreira. Não agradava ao centro mais politizado que nunca deixou de o ver como alguém que demorou décadas para perceber o que era claro desde 21 de Agosto de 1968, nem à extrema-esquerda que nunca o deixou de ver como um traidor à causa e aos valores.

Porque raio terá Sócrates escolhido uma figura tão controversa para cabeça de lista? Sócrates é um animal político – não é necessariamente um elogio mas a constatação de uma realidade – se a escolha de Vital não se deve à sua alegada competência, que mesmo que fosse um facto incontroverso, não é uma qualidade que necessariamente atrai votos, qual é a vantagem de Vital para Sócrates?

Houve quem me defendesse que a escolha destinava-se a justificar uma possível derrota, duvido. Estas não são apenas eleições europeias, são muito mais que isso, Sócrates sabe disso muitíssimo bem e ou está confiante que a data da mesma, conjugada com a enorme abstenção que se prevê, acabe por dar uma vitória ao PS, ou há algo que ainda não vimos que redima o PS aos olhos do eleitorado.

Tb aqui

Post feito de barriga cheia

Abril 14, 2009

Uma das vantagens de passar a Páscoa à terra (ao Minho) é que, para quem a vive, só lá parece ser vivida. Não há boa Páscoa há Santa Páscoa, há compassos, há Missas e foguetório, há Sexta-Feira Santa, sobretudo e para quem pãezinhos com menos sal é coisa impensável, um Sábado com um arroz de lampreia, cabrito e um domingo ainda mais pantagruélico, com ensopado de borrego, javali, cabrito, doce de ovos, pão-de-ló, tudo isto regado com vinho verde, verde tinto, tinto e mais não digo. Um festival de pecados que anularam as boas intenções da Quaresma.

A realidade, ainda que não toldada pelos excessos, parece-nos estranha. Para a boa gente que visitamos por estes dias, que encontramos na rua, tudo que por estes dias preocupa os mentideros políticos é coisa sem a menor importância, os cartazes de Manuela Ferreira Leite, uma coisa horrorosa para a qual não tenho explicação, de Vital Moreira, brilhante na personificação do que mais plástico e reverente o PS tem a oferecer ao país – a minha filha tem um barriguita igualzinho, juro! – o drama/tabu da escolha do cabeça de lista, da lista e sei lá mais o quê do PSD, as descabeladas diatribes de Ana Gomes… Nada disto importa. Há muito que perceberam que a Europa nada lhes diz, não sabem nem querem saber quem faz o quê e para quê na Europa.

Como hoje já sabem que Sócrates não se impressiona facilmente e uma eventual derrota nas Europeias não mudará uma vírgula naquela cabeça, que também não é agora que a coisa pode mudar, então para quê perder tempo com quem não perde tempo com eles? Fica para depois das férias, entretanto há que cuidar da vida que está muito complicada e se não mudou nada até agora bem se pode esperar mais um bocado.

Baralhar e voltar a dar

Agosto 1, 2008

Ao contrário da opinião dominante, entendo que a questão do Estatuto dos Açores não é uma questão de lana caprina. Era necessário que o Presidente pusesse termo à inaceitável complacência com que até agora os presidentes da República têm pactuado com todos os excessos autonomistas.

Só não compreendi por que é que Belém fez “caixinha” sobre o tema da sua comunicação ao País, deixando lavrar durante todo o dia as mais imaginosas especulações sobre o assunto Os media adoram especular…

Grande Vital Moreira! Notem bem a subtileza! A opinião dominante é que a questão dos EA era menor, coisa que só Vital Moreira viu, a opinião dominante é que a questão não justifica o tabu, coisa que ele próprio confessa no fim.

Os excessos autonomistas que Vital Moreira vê servem apenas para justificar a primeira afirmação e sossegar os instintos que estruturam a sua posição à esquerda. Percebe-se. O final é típico de quem anda a assobiar para o ar, preparando desde já os argumentos necessários para por de parte a imaginosa especulação, essa sim dominante, que Cavaco estava a dar um aviso à navegação socialista.

Angola

Julho 31, 2008

Levantaram-se algumas vozes indignadas com a “volta das ditaduras” de Sócrates. Mas as coisas são o que são. Quando Portugal puder dispensar parceiros económicos viáveis é porque quem anda em viagem não somos nós mas os outros.

No entanto, na ânsia de agradar, à cavalheiros que dão uma de Vasco Graça Moura e cá vai de por água na fervura através do esclarecido método de nos convencer que a água não está a ferver, está só morninha. Para Vital Moreira, aqui as raízes são o que são e são profundas, em Angola neste momento decorre a campanha eleitoral para eleições parlamentares, que tudo indica não ficarão a dever nada à liberdade política e à lisura democrática, estando também previstas eleições presidenciais no próximo ano.

Não sei o que é esse “tudo” que lhe indica tal fantasia e magnifico futuro, sei é o que é ridiculo. Lá isso sei.