Posts Tagged ‘Paulo Gorjão’

Quanto eu digo que te vou à tromba não é bem assim. Não é que tenhas tromba.

Setembro 22, 2008

Fiquei com uma boa relação com o seu accionista (Paulo Azevedo) e vamos ver se isso não se altera, disse José Sócrates a José Manuel Fernandes na altura em que o jornal Público decidiu publicar as notícias sobre a licenciatura do primeiro-ministro (Expresso, 20.09.2008: 14).

A ERC, não por uninanimidade e com muitos protestos nessa altura, achou que este tipo de atitudes enquadravam um tipo de pressão natural, aceitável até. Tão aceitável que foram necessários 9 meses para o relatório ver a luz do dia.

Paulo Gorjão tem toda a razão, se isto não é intolerável eu não sei o que é pressão e sou, pelos vistos, um exagero de sensibilidade, sou um vidrinhos!

Eu acho, mas já vi que sou hipersensível da treta, que um PM confrontado com este tipo de passado devia explicações muito claras ao povo português, mas then again eu  também sou demasiado sensível.

Welcome Back

Julho 9, 2008

Recomeçamos

Timing e estratégia

Fevereiro 28, 2008

Paulo Gorjão, tem feito uma série de posts sobre a liderança de Menezes/Santana ou a ausência dela e ainda bem.

A liderança bicéfala de que tanto se falou é, até ver, totalmente inexistente e se as presidenciais abertas de Santana não o provaram já a auditoria de Menezes (que interrompeu as referidas passeatas) deixou bem claro que tal coisa não existe. Existe sim um equilíbrio muito complicado entre duas pessoas que não estavam destinadas a trabalhar juntas.

Apenas uma coisa os une neste momento: adversários comuns. Quem não quer Menezes também não quer Santana.

Por exemplo, Aguiar Branco ajuda Menezes a vitimizar-se perante as bases (são estas que votam) porque ao mesmo tempo não se compadece com a liderança de bancada de Santana, não quer nem um nem outro. Só que não pode vencer contra os dois e ou espera que Menezes perca o pé e rebente com esta coligação de interesses entre ele e Santana ou tem de provar a Santana que tem mais a ganhar com outra liderança. Até agora nem uma coisa nem outra.

A oposição a Menezes tem de melhorar muito o seu timing e estratégia.