O luto partidário

Leio, bem disposto, uma extraordinária proposta de Marco António Costa, número dois de Gaia, à lei eleitoral autárquica, em que “um período mínimo de não militância partidária” para as candidaturas independentes visa acabar com as listas independentes resultantes de rupturas partidárias, como foi o caso de Isaltino Morais (Oeiras), Valentim Loureiro (Gondomar) e Helena Roseta (Lisboa). Os socialistas concordam com isto, os CDS acha, prudentemente, que é um ponto de partida para se reflectir, o BE desconfia e o PC não sei. 

É certo, Marco António sabe-o, que boa parte das candidaturas independentes foram fruto de “birras” e a sua justificação perante a opinião pública, um completo logro.

A questão é, no entanto, mais complexa e não se resolve com períodos de nojo entre saídas do partido e grandes sentimentos de dever para com a causa pública e os já ridículos movimentos cívicos.  

A simples tentação de cortar com esses exemplos para o futuro antevê uma perigosa tentação em coarctar a livre e por vezes muito difícil discussão interna dos partidos, mesmo quando essa discussão não passa de uma questão de vaidades e de quem é que deve ser o “presidente da junta”.

Estas tentativas de moralização da vida pública à custa da liberdade de discussão – mesmo quando ela é falha em princípios éticos – tem sempre maus resultados e inevitavelmente empobrece a própria política.

Afonso Azevedo Neves

Anúncios

Etiquetas: , , , , ,

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: